VOCÊ SABIA QUE...

...
Imagem Ilustrativa.

Em 1964, já durante o governo militar, Mário de Mendonça Netto, então vereador, foi acusado de ser comunista.


Sob a acusação de ser comunista, o Vereador Mário de Mendonça Netto, filho de João Netto de Campos, respondeu a um IPM - Inquérito Político-Militar. Ao fim do inquérito, a autoridade militar sugeriu à Câmara de Vereadores de Catalão, a cassação do mandato de Mário, sugestão aquela, acatada pelos demais vereadores. A seguir, o último discurso de Mário de Mendonça Netto:

Senhor Presidente, Senhores Vereadores. Sinto-me, nessa casa um homem realizado. Cumpri os desígnios por mim traçados, recebo de cabeça erguida a sentença de meus colegas. Entrei nesta casa de cabeça erguida e assim quero sair dela se assim o quiserem. Fui contra e continuarei sendo, lá fora, contrário aos princípios desta revolução que tantas injustiças tem cometido por este Brasil afora, mas aplaudo-a pela justiça que fez em Catalão. Aqui sempre procurei pautar uma linha de conduta coerente com meus princípios e agora sou julgado por ser nocivo. Não reconheço no capitão autoridade para julgar-me. Só recebo julgamento do povo, este é que deve condenar-me ou absolver-me. Sou nocivo à coletividade apenas por ser contra a revolução, apenas por ser a favor das reformas de base, da nacionalização das refinarias de petróleo; por isso sou considerado nocivo ideologicamente. Ratifico meus pronunciamentos nessa casa, espero, serenamente, o julgamento de meus companheiros. (Mário de Mendonça Netto, pronunciamento na Câmara de Vereadores, julho/64).

Mário enfrentou um processo na Justiça Militar que foi, posteriormente, arquivado. Em seguida, retomou os estudos e formou-se Advogado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco / USP. Antes de se eleger vereador, foi deputado estadual. Faleceu em Catalão em 23 de setembro de 2009.